Compartilhe!

Pesquisar neste blog

20 novembro, 2007

A dica para o Natal

Considerando que o Natal é uma data para as pessoas "confraternizarem" em "abraços e beijinhos" (que, provavelmente, não se deram o ano todo) sugiro um filme MARAVILHOSO !

Depois dele, feliz 2008! (de fato) Com relações bem-resolvidas!

O Filme

Sinopse I

Três irmãs e um irmão tentam se libertar do fantasma do pai e viver num ambiente mais agradável, mas a medida que o tempo vai passando, eles vão se desgarrando das meias-verdades e ninguém que está envolvido sai ileso. Tudo isso ficou escondido, finalmente, começa a aparecer ódio, as traições, o desejo e os amores num filme intenso que faz você pensar, e muitos nas suas relações.


Sinopse II

Três irmãs vivem em uma pequena cidade e, logo após a morte do pai, percebem que estão sozinhas e precisam deixar as diferenças de lado para retomar o relacionamento. Agora, elas terão que colocar à prova vários laços que as unem, assim como afastar de uma vez por todas antigas mágoas. Filme baseado na famosa peça escrita pelo russo Anton Chekov, no século 19, chamada As Três Irmãs.



A peça

É um drama em quatro actos protagonizado por Irina, Macha e Olga, três mulheres que tentam desesperadamente sobreviver à monotonia do quotidiano.

Encarceradas com o seu irmão Andrei numa cidade interior da Rússia, estas mulheres alimentam o sonho de voltar a Moscovo, cenário das suas infâncias felizes. Ao longo da peça, o dia-a-dia entediante continua, com suaves evoluções: Andrei casa com Natacha, uma rapariga provinciana que se apodera do lar; Macha, casada com o medíocre Kulíguin, apaixona-se por Verchínin, um vizinho casado com uma mulher louca; dois oficiais, o barão Tusenbach e Solióni, rivalizam pelo amor da indiferente Irina.

No último acto, quando Irina já aceitara casar com o barão de forma a conseguir voltar para Moscovo, este entra num duelo com o ciumento Solióni e é tragicamente morto. Verchínin parte com a família, sem quaisquer perspectivas de rever Macha, e as três irmãs são abandonadas no tédio das suas esperanças novamente derrotadas, com a persistente interrogação: Que importância tem tudo isto?

O autor

Anton Pavlovitch Tchecov (1860 - 1904), nasceu em Taganrog, na Ucrânia, então pertencente à Rússia tsarista, e foi o grande renovador do conto moderno. Seu estilo influenciou contistas de todo o mundo pela concisão da narrativa. Médico de profissão, começou a escrever em 1880. Custou pouco tempo para ser conhecido como fenomenal dramaturgo, autor de "Tio Vânia", "Ivanov", "As três irmãs" e "O jardim das cerejeiras" são até hoje encenadas com grande sucesso. Seus textos foram publicados, primeiramente, na imprensa. Destacamos, entre eles, "A dama do cachorrinho", "A Estepe" e "A Noiva". Mais tarde, do cronista considerado apenas "engraçado", revelou-se um escritor de um humor implacável. Melancolicamente pessimista e aproveitando ao máximo todas as experiências humanas e sociais, Tchecov foi o criador de uma escola literária que encontrou, mais tarde, mesmo nos países ocidentais, enorme repercussão.

Nenhum comentário:

Postagens populares

Total de visualizações de página