Compartilhe!

Pesquisar neste blog

02 maio, 2007

São Paulo - Cena II - Yakisoba na Paulista

A fila imensa do Masp não me permitiu ver Goya. Em frente à bilheteria, a feira de antiguidades vazia. Voltamos para um lanche na Paulista e encontramos o chinês do yakisoba e o cearense do milho. Profissionalismo puro! O cliente pede uma pamonha, o vendedor abre, corta, poe no descartável, entrega o garfo e o guardanapo, por R$2,00. O mesmo acontece com o milho, todo cortadinho no prato! No ambulante ao lado, o cliente pede o yakisoba, o chinês prepara na hora, põe no descartável, entrega o garfo e o guardanapo, por R$ 3,50. Eles, ambulantes paulistas, deveriam dar consultoria pelo país. Isso é o que faz uma metrópole ser metrópole e não a falsa medição pelo número de habitantes. Comi e fui caminhando para o metrô, surpreendentemente encontro uma exposição no prédio da Fiesp: o Museu da Solidariedade Salvador Alende. Agora, itinerante passando por São Paulo. Concluíndo, então, esse papo de trabalho informal desorganizado, sujo e mal-feito é generalização miúda. Há sim como se fazer uma atividade, na rua, de forma profissional, ainda que não sejam pagos impostos, aluguel pelo ponto etc. Para isso é preciso inteligência, visão de negócio, e estar antenado às novas tecnologias (como, por exemplo, a dos descartáveis variados). Detalhe: a rua estava limpa, as pessoas esperavam sua vez sem aglomeração e havia uma lixeira ao lado de cada carrinho que se espalhava ali, perto do Masp, na avenida Paulista. Ah, o Yakisoba estava muito bom, comparável a qualquer restaurante de shopping (que por sinal nem sempre são os melhores restaurantes).

Nenhum comentário:

Postagens populares

Total de visualizações de página